jusbrasil.com.br
5 de Julho de 2022

A aposentadoria especial e a periculosidade

Publicado por Enviadas Por Leitores
há 10 anos

Em decisão proferida em sede de recurso representativo de matéria repetitiva (RESP 1306113), no dia 14 de novembro de 2012, a Primeira Seção Do Superior Tribunal de Justiça (STJ) firmou o entendimento de que o trabalhador exposto habitualmente à energia elétrica tem direito ao recebimento do benefício previdenciário de aposentadoria especial.

A decisão em comento significa grande conquista para os trabalhadores submetidos a agentes perigosos, afastando, definitivamente, a ideia de que após o advento do Decreto nº 2.172 de 05/03/1997 inexiste a possibilidade de concessão de aposentadoria especial em razão da submissão do segurado a agentes perigosos.

A aposentadoria especial, instituída pela Lei Orgânica de Previdência Social (LOPS), Lei 3.807/1960, era inicialmente devida ao segurado que contando com no mínimo 50 (cinquenta) anos de idade e 15 (quinze) anos de contribuição, tenha trabalhado durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte cinco) anos pelo menos, conforme atividade profissional, em serviços que fossem considerados penosos, insalubres ou perigosos, nos termos do art. 31 do citado diploma legal.

Com o advento da Lei nº 5.440-A de 1968, deixou-se de exigir o requisito idade para o recebimento do benefício em análise. Posteriormente, em 1991, veio ao mundo jurídico a Lei nº 8.213, que não trouxe maiores modificações nos critérios anteriormente estabelecidos, sendo que o atual regramento da aposentadoria especial foi instituído pela Lei nº 9.032/1995, que dispôs que a aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nessa Lei, ao segurado que tiver trabalhado sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante 15 (quinze), 20 (vinte), ou 25 (vinte cinco) anos, conforme dispuser a Lei.

Note-se, portanto, que a Lei 9.032/1995 deixou de fazer menção sobre atividades insalubres, penosas e perigosas.

Nesta mesma direção, dispôs a Lei 9.528, de 10/12/1997, ao alterar a redação do artigo 58 da Lei 8.213/91, A relação dos agentes nocivos químicos, físicos e biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física considerados para fins de concessão da aposentadoria especial de que trata o artigo anterior será definida pelo Poder Executivo.

O mesmo se diga em relação ao Decreto nº. 2.172, de 05/03/1997, que deixou de enumerar as ocupações, passando a serem mencionados apenas os agentes considerados nocivos ao trabalhador. E os agentes assim considerados seriam aqueles classificados como químicos, físicos ou biológicos

Assim sendo, passou-se a adotar o entendimento de que os trabalhadores submetidos a agentes perigosos não fariam jus a aposentadoria especial, após o advento do Decreto nº 2.172 de 05/03/1997, ante a ausência de previsão legal, sendo esse, inclusive, o entendimento da Turma Nacional de Uniformização (TNU).[1]

Conclui-se, dessa forma, que a louvável decisão proferida pelo Superior Tribunal de Justiça constitui um avanço em diversos aspectos: firma o entendimento acerca do tema, afastando o entendimento anteriormente firmado pela TNU; traz maior proteção ao segurado submetido a agentes perigosos, corrigindo a injustiça que anteriormente vinha sendo cometida; ajusta-se com o ideal protetivo da Seguridade Social e, ainda, dá maior efetividade ao princípio constitucional da universalidade da cobertura e do atendimento, art. 194, inciso I, CF88, em que se busca proteger o maior número de riscos possíveis, no caso a periculosidade, para o maior número de pessoas possíveis.

[1]Pedido de Uniformização nº 2007.83.00.50.7212-3, de relatoria da Juíza Federal Joana Carolina Pereira Lins, DJ 24/06/2010

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 2071400 SP 2022/0040688-1

Cássio Furlan, Advogado
Artigoshá 3 anos

A Reforma da Previdência extinguiu a aposentadoria especial por periculosidade?

Fabricio Ferri, Advogado
Modeloshá 3 anos

Requerimento administrativo - aposentadoria especial cobrador / pedreiro

Artigoshá 4 anos

Como comprovar tempo de atividade especial

Nogueira Advocacia, Advogado
Artigoshá 5 anos

7 dicas sobre o adicional de periculosidade e insalubridade

8 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Trabalhei no período de 1979 a 1996,militar estadual. 15 anos e tres meses? A pergunta e hoje tenho 61 anos . Tenho. Algún direito trabalhista. Obligado continuar lendo

Boa noite, tenho 54 anos, trabalho de 1991 ate agora em uma empresa na área de elétrica, mas esta empresa não paga periculosidade. Em 2006 sofri um acidente fiquei agarrado em um quadro elétrico trabalhando para esta empresa. E também já tenho 2 processos de colegas que já ganharam na justiça. Será que com este documento eu consigo aposentar.
Atenciosamente, Moisés V. Lira continuar lendo

Qual o beneficio que tem direito 01 engenheiro trabalhando por 15 anos em fabricas de explosivos. Até agora não vi nenhuma citação para quem ai trabalha ? continuar lendo

Quem trabalha em turnos tem seu relógio biológico alterado e não consegue se alimentar, dormir ou ter uma vida normal. Também deveria ter direito a aposentadoria com 25 anos na mesma função..... continuar lendo

O trabalho não é justificativa para não se ter uma vida normal. O ser humano trabalha seu desenvolvimento desde o início da agricultura, nem por isso teve problemas com sono ou com alimentação, e a vida era "normal" em se acordar 4 horas da manhã para trabalhar o dia inteiro, todos os dias, para lavrar a terra, cuidar da criação e da família. Eu trabalho em turnos, às vezes de manhã, às vezes à tarde e às vezes à noite, e não tenho problemas para dormir e me alimentar, e tenho uma vida NORMAL, não sou nenhum anormal. Pare de reclamar do turno, não é esse o seu problema. continuar lendo